Quinta-feira, 1 de Março de 2012

A ler...

"No Recaldo de Krugman", por Priscila Rêgo (A Douta Ignorância)

 

Não tenho grande opinião sobre qual o melhor caminho económico para Portugal e a Europa (ou, preferivelmente, para a Europa e Portugal), mas o zum-zum habitual dos "sócios" de esquerda a citar sempre Krugman (vs os "sócios" de direita que apelam à austeridade pela austeridade) sairam mediaticamente furados com a vinda de Krugman a Portugal... quer dizer, furados? 75% dos portugueses não deve saber quem é o homem...

 

O que acho importante no post da Priscila é o realçar que isto de defender teorias económicas (Keynes 'rula' actualmente) é muito bonito, mas o pessoal esquece-se sempre ler as entrelinhas. A blogosfera que tanto citava Krugman já veio dizer que desconstextualizaram o homem, mas quer-me parecer é que não gostam muito da solução que ele apresenta.

 

O que eu percebi, penso que até já há algum tempo, é que o homem acha que os salários de países periféricos como Portugal devem descer 30% face aos alemães (ou os alemães subirem 30% face a estes). Podia ser feito através de inflação (por acaso, não sei como incitar tal coisa, já que a moeda é a mesma... mas isto sou eu que sou um leigo), podia ser feito até com a Alemanha a subir os seus salários (sim... sim... contem com isso)... Ele até acha preferivel estas opções, mas elas não dependem apenas (quase nada) de Portugal. O que ele diz é que então é inevitável serem estes países a fazer cair o preço da sua mão-de-obra.

 

Eu não sei se o homem tem razão, embora seja dado o crédito que a sua política seria substancialmente diferente da do actual governo (mas esta medida em si seria dada com a austeridade da austeridade, convém dizê-lo). É apenas uma opinião de política económica entre tantas outras... o importante é que isto não é só "viva o expansionistmo" ou "viva a austeridade". Convém ler as letras míudas destas teorias.

 

"O preconceito decidiu contra o interesse das crianças", por Daniel Oliveira (Expresso Online/Arrastão)

 

Há pouco a acrescentar ao texto... apenas dizer que é uma falta de conhecimento achar que as crianças estão melhores em instituições do que adoptadas por um casal homossexual. Já tive a oportunidade de trabalhar com crianças de algumas destas instituições nos tradicionais Campos de Férias, ao todo foram três em que tive contacto com mais do que um míudo das mesmas. Duas delas são das mais conhecidas na nossa sociedade e ajudou-me a perceber que ou as mesmas não têm condições ou trabalham mal (no fim, vai dar ao mesmo), só uma pouco conhecida e ter características distintas pude apreciar mais o seu trabalho, mas longe de achar que não teriam um melhor acompanhamento com qualquer tipo de adopção (desde que os pais estejam preparados).

 

Para não falar da aberração jurídica em que um homossexual solteiro ou com união de facto pode adoptar, mas um casal casado não o pode fazer.

 

A minha opinião de princípio: a sexualidade aqui não é chamada para o caso, nem me interessa os hábitos sexuais de quem é casado (até porque o casamento não atesta nada disso), interessa-me é saber que crianças podiam ter uma educação melhor com pessoas que querem ser tutores delas e estão aptas a tal.

 

Se o problema é a homossexualidade, tenham cuidado... verificam mesmo nos casamentos de pessoas de sexos diferentes que elas são heterossexuais? Pois...

escrito por João Saro às 19:32
link do post | comentar | favorito

Mais sobre quem digo que sou

Pesquisar neste blog

Links

Posts recentes

AD.dicts

Os bustos

Adopção = Sexo

O Benfica joga no domingo

O balde de gelo

Buraco Negro

Médio Oriente: a solução!

"We need to talk about Is...

4th July - Made in...

Cenas épicas

Arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Escritório

Bloco de notas

subscrever feeds