Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

...

A propósito do post anterior, relembrou-me este vídeo:

 

escrito por João Saro às 20:15
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

PUB Institucional

escrito por João Saro às 02:51
link do post | comentar | favorito

Azar é sermos todos feiticeiros

Costuma-se dizer que os "feitiços viram-se contra os feiticeiros". O governo foi demagogo, por isso foi bem feito isto (como foi vamos ser demagogos com eles). O problemas de estarmos a ser demagogos é levar com isto de volta. Justifica-se mesmo?

 

Sinceramente, não tenho paciência para discutir estas novelas que nem do próprio assunto falam o que realmente interessa.

tags:
escrito por João Saro às 02:45
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Janeiro de 2012

A única desculpa plausível

O nosso presidente não tem noção do que diz...

escrito por João Saro às 04:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

Greve!

 

Sou sincero que nem conheço muito bem os contornos do "manifesto" (um projecto de lei do Congresso norte-americano que condiciona a liberdade na internet), mas cheira-me que não preciso pesquisar muito sobre isto para dizer que apoio. Entre os grevistas estão o Google (scary... tenho trabalho amanhã para fazer, espero que não exija muita pesquisa), Wikipedia, Wordpress ou Mozilla... aparentemente, estarão o dia de hoje 12 horas fechados.

 

http://www.sopastrike.com/

 

 

 P.S.: Eu coloquei o script no "header", espero que funcione... é este:

 

<script>var a=new Date,b=a.getHours()+a.getTimezoneOffset()/60;if(18==a.getDate()&&0==a.getMonth()&&2012==a.getFullYear()&&13<=b&&24>=b)window.location="http://sopastrike.com/strike";</script>

 P.S.2: Já sinto o receio da comunidade de perder o acesso ao blog durante 12 horas... :p

escrito por João Saro às 01:12
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Para onde vão os seus impostos?

Não que isto seja suficiente, mas é sempre positivo quando se dão informações sobre o destinos dos impostos.

escrito por João Saro às 19:12
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

Pedro Santos Guerreiro explica

Quando se tem Pedro Santos Guerreiro a explicar no editorial do Jornal de Negócios o que realmente valem as polémicas nacionais, pouco há mais a dizer. Sobre dois temas, acerta em cheio, mas na blogosfera política portuguesa já se luta para ver qual dos textos tem mais êxito pois parece que um texto é de direita e outra é de esquerda (?!?!?).

 

O primeiro texto (dizem que é o de direita) é sobre a polémica em torno da emigração da holding da Jerónimo Martins (e não da Jerónimo Martins em si, que na boa verdade também já emigrou boa parte do seu "corpo" há algum tempo), data 3 de Janeiro:

Só há um antídoto contra a especulação: a informação. É assustador ver tanta opinião instantânea sobre o que se desconhece. A sede de vingança tomou o lugar da fome de justiça. O problema não está na rua, nas redes sociais, nas esquinas dos desempregados. Está em quem tem a obrigação de saber do que fala. Do Parlamento, de Ana Gomes, de António Capucho, dos que pedem boicotes ao Pingo Doce (para comprar onde, já agora? No Continente da Sonae que tem praças na Holanda? No Lidl, que as tem na Alemanha?).

 

Agora o segundo texto (dizem que é o de esquerda) sobre as nomeações na EDP:


As nomeações da EDP, como antes as da Caixa, são um mau sinal dentro da EDP e da Caixa, e são um mau sinal do País. Já não é descaramento, é descarrilamento. A indignação durará uns dias, depois passa, cai o pano sobre a nódoa. A nódoa fica. Quem é mesmo o macaquinho do chinês?

 

Se o caso da "Jerónimo Martins" é uma histeria em que parece que os portugueses acham que emigrar é anti-patriota. Pois é isto o que fica das reacções em si (salvo as devidas diferenças entre empresas e pessoas) ou então têm a haver com a qualidade de informação que foi transmitida pelos medias. Já o caso da EDP é mais grave e crónico. Directamente, nem se pode pegar pelo lado em que o Estado está a dar tachos, pois agora a empresa é totalmente (?) privada e não tem de dar justificação a quem contrata. No entanto, todo o processo de negócio da privatização fica sob suspeita sobre em que é que foi a moeda de troca para tanta gente ter aquele poleiro.

 

Eu até diria mais se soubesse mais que o PSG, mas fica só aquela frase dele "(...) Já não é descaramento, é descarrilamento (...)". Sobre este governo, parece que a política do "tacho" não mudou. O problema é que esta dança de cadeiras sem uma escolha política alternativa parece que, cada vez mais, caminha para algo que pode acabar feio. Sim, porque quando a democracia não funciona, legitima-se outras formas de governação mais perigosas.

 

Nota ainda sobre o caso da Jerónimo Martins: é preciso ter lata para vir dizer que só estão a "pagar" pelas opiniões/exposição política que o CEO teve nos últimos anos aquando das várias críticas ao governo anterior. Vi a entrevista de Dr. Manuel dos Soares à SIC Notícias (que inicialmente servia para outro propósito) e, apesar de não concordar com alguns pormenores aquando da sua opinião política, gostei muito das suas posições face a vários assuntos. Sobre a defesa em relação a ser a "paga" pelas suas posições disse o básico e mais que suficiente (citando por alto): "Eu sou cidadão português, pago impostos como qualquer outra pessoa, tenho direito de opinar como qualquer outro cidadão".

 

A explicação da mudança da holding está lá, para quem estiver interessado.

escrito por João Saro às 16:01
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012

Buraco Negro

Fatboy Slim - Praise You

Um dos melhores videoclips de sempre.

escrito por João Saro às 02:55
link do post | comentar | favorito

Ouvido por aí...

 "Maçonaria é o quarto escuro dos crescidos" por Bernardo Pires de Lima no União de Facto.

 

"As Casas dos Segredos"

 

 

por Tiago Mota Saraiva no 5Dias.net

 

A primeira semana de 2012 em Portugal trouxe questões muito importantes como a indignação pela "emigração" da Jerónimo Martins numa histeria patriótica típica portuguesa e toda a polémica em volta da Maçonaria. Pena que estas discussões passaram-me um bocado ao lado. Sobre isto deixo o comentário facebookiano de Henrique Monteiro:

 

"É interessante ver como os tolos, quando lhe apontam a lua, olham para o dedo. A história começa com uma atuação ilegal dos serviços secretos a favor de uma empresa; com a interceção do telefone de um jornalista e com outras aventuras do estilo. Como um ou mais desses espiões faz parte de uma tal Loja Mozart que tem 40 pessoas, entre as quais uma dúzia de políticos, passa tudo a discutir se os políticos devem declarar se são maçons. Faz todo o sentido, porque a história de os serviços secretos atuarem privadamente não tem interesse. Valha-me Deus..."

 

Não é que esta coisa da Maçonaria ou da Opus Dei não interesse do ponto de vista da ascenção social e profissional dos seus membros, mas estas discussões que aconteceram descabam sempre para questões com pouca relevância.

 

Aliás, esta questão da Maçonaria faz-me lembrar também os comentários de António Oliveira sobre o poder da Oliverdesportos no futebol nacional. Toda a gente sabe, mas de repente todos ficam surpreendidos ao ouvir alguém de "dentro" a dizer da boca para fora.

escrito por João Saro às 02:31
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012

Senna (2010)

Curioso que, apesar de nunca ter tido Ayrton Senna como ídolo que fora para muitos, eu também sei onde estava no dia em que Senna morreu. Até aquela altura não sabia muito de Fórmula 1, passava no Canal 2, mas ainda nem 10 anos tinha. Poucos meses depois comecei a acompanhar a era de Damon Hill, Jacques Villeneuve e, sobretudo, de Michael Schumacher. Durante alguns anos (praticamente o resto dos 90's), gostei de Fórmula 1, mesmo não tendo aquela característica que fica bem a qualquer macho latino que é discutir a cilindrada de carros. Até hoje, nem sabia que Alonso, Schumacher, Hamilton e Massa ainda andam por lá. Convenhamos que este desporto também entrou no século XXI a partir para o declínio.

 

Voltando a Senna, vi esta semana o filme documentário. Confesso que conhecia pouco do brasileiro, apenas me lembro do fatídico ano de 1994 em que se tornou num "mártir". Lembro-me de ir em família ver o Benfica-Porto ao velho Municipal de Coimbra e de um primo meu ter comprado, não a bandeira do Benfica, mas do Senna. Era como o Che Guevara das t-shirts, qualquer banca tinha material alusivo a ele. Nunca me preocupei muito em saber o que tinha de tão especial, mas sabia que tinha algo e não era apenas por morrido novo e em plena pista.

 

O documentário já me tinha sido recomendado vivamente e é quase redundante falar (muito) bem do mesmo. Está muito bom e é difícil ficar indiferente a tanta emoção. O que fiquei a saber foi que Senna não era um mero campeão, mas era candidato a ser daqueles desportistas eternos como se tornaram Tiger Woods, Maradona, Schumacher ou Muhammad ali. É engraçado ver apenas parte da carreira dele, ainda que em filme (e, portanto, logo sempre mais romanceado), e perceber que a F1 com ele tinha o triplo da emoção e que era sempre mais complicado adormecer num domingo à tarde ao som de motores a sair pela televisão.

 

Entre a genialidade e a loucura, ele queria ser campeão do mundo, mas ao viver todo aquele ambiente que é fantasia para quase todos já só sentia saudades dos tempos dos karts. Curioso que apenas um mês antes, um ídolo meu de adolescência tenha também morrido e, como tudo, existem algumas parecências. Kurt Cobain, certamente, também quis ser um rock'n'roll star, mas ao viver só quereria voltar aos clubes pequenos onde não tinha editoras e imprensa que deturpavam a inocência do prazer que tinha.

 

Agora percebo melhor porque ele era o ídolo que era para milhões. Senna queria apenas competir pelo prazer de pura condução. Era disso que sentia saudade. Ele não queria ganhar apenas, queria andar mais rápido possível... até perceber que um campeão normalmente tem de jogar à defesa e na secretaria. As imagens captadas após o GP do Japão de 90 em que volta a ser campeão após um acidente com Prost captam todo este conflito entre ser o melhor e a incapacidade de o ser sem deixar de lado a pureza da coisa.

 

 

 

tags: , ,
escrito por João Saro às 19:48
link do post | comentar | favorito

Mais sobre quem digo que sou

Pesquisar neste blog

Links

Posts recentes

AD.dicts

Os bustos

Adopção = Sexo

O Benfica joga no domingo

O balde de gelo

Buraco Negro

Médio Oriente: a solução!

"We need to talk about Is...

4th July - Made in...

Cenas épicas

Arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Escritório

Bloco de notas

subscrever feeds