Terça-feira, 25 de Junho de 2013

AD.dicts

escrito por João Saro às 20:04
link do post | comentar | favorito

Frases

"Sabia que não seria uma decisão indolor. Sabia que o sentimento de perda faria parte do processo. Mas sabia também que, a prazo, sentiria muito mais dor e perda se ficasse do que se fosse."

 

João Almeida Moreira na crónica "A viagem da minha vida"

tags:
escrito por João Saro às 18:25
link do post | comentar | favorito

Processo criativo




Roubado via Atentado ao Pudor
tags:
escrito por João Saro às 18:20
link do post | comentar | favorito

Paulo Portas

 

Nota-se a sua inteligência acima da média e a sua capacidade de análise na política, sobretudo a nível ideológico. Assertivo quanto a Cavaco (mas.. mas...), já nem tanto em relação a Salazar (análise um bocado leviana com um toque de admiração assustadora). Nada de novo, e sempre considerei que tem muitas semelhanças, nas virtudes e nos defeitos políticos, com Francisco Louçã. Uma espécie de "servem para deputados, são muito mais inteligentes que a média que ali anda, mas vade retro com a ideia deles na governação".

 

O mais importante neste vídeo é mesmo a parte inicial em que demonstra o seu desprezo pelos partidos políticos (não declarando, fá-lo à política implicitamente). Regra nº1: desconfiar dos Medinas Carreiras da tv.

 

Para a rir, mesmo só a parte do liberal (mesmo na economia).

escrito por João Saro às 17:56
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Junho de 2013

Buraco Negro


Belle Chase Hotel - "Sunset Boulevard"
escrito por João Saro às 19:55
link do post | comentar | favorito

Grândola



"Quando disse que era de Grândola, o homem que estava à sua frente voltou-se, agressivo. «E eu só dizia: mas eu não tenho culpa de ser de Grândola!» Ninguém tinha culpa, os símbolos são o que são."

 

Conheço pouco de Grândola. Na verdade, só conheço a IC1 e dois ou três restaurantes nas breves paragens entre Coimbra e Algarve. Mas, de certa forma, tinha um bocado desta ideia - "Vila Morena, a canção que dividiu Grândola" - sobre a terra e sobre a música. Apesar da passagem a símbolo ser usual e acarretar este tipo de histórias, as reinvidicações e leituras em volta desta música são muitas vezes desconhecedoras da história do próprio símbolo.

 

Nada de novo, é uma repetição a papel químico de quase todos os símbolos.

 

Este lado da "Vila Morena" é interessante por algumas coisas que disse aqui, em Fevereiro. Algumas formas de manifestações (tal como as que apelam a uma qualquer revolução... como se qualquer uma desse jeito) ursupam símbolos para um fim específico. E, a acreditar no texto, foi o que se passou em Grândola. A canção feita sobretudo como um agradecimento à terra de um amigo numa sua passagem por lá passou a ser símbolo de uma revolução (por ter sido escolhida como contra-senha por não fazer parte da lista da censura). A partir do símbolo estragou-se a genuidade da canção (em boa verdade, não completamente alheada de espírito político).

 

O PCP usava como se a canção fosse sua e os seus acérrimos militantes não perdoariam os desvios de esquerda de Zeca Afonso. "Caldo entornado", seriam os primeiros a manifestarem-se durante a actuação da mesma música na própria "Vila Morena". Sim, a mesma música que fora feita de agradecimento a essa vila. A mesma vila que Zeca se viu obrigado a agradecer e com a qual agora ficava magoado.

 

É inevitável a sua passagem a simbolo da revolução (até porque é uma boa música), mas a tentativa de reinvidicação da música para um partido ou sector não tem qualquer sentido. Como disse várias vezes, se isto das datas é para ser só para alguns, metam a revolução num dia a que me dê mais jeito. É como quem diz que isto dá sempre a asneira.

escrito por João Saro às 18:32
link do post | comentar | favorito

Gracias Pablito

Chega por tardio o agradecimento. Como se diz por aí, Pablo Aimar é o último romântico do futebol. É daqueles jogadores que admiras em qualquer clube, mas se for no teu é "juntar o útil ao agradável".

 

Obrigado.

 

Santíssima trindade

 

 

Alguém disse que só mesmo o Aimar para Messi pedir uma camisola no final de um jogo como um puto. Pura das verdades. Como é possível que num jogo dos dias de hoje, seja Messi a pedir a camisola sem ver a sua requisitada? Consideraria um crime não fosse "Pablito".

 

A ler tudo:

 

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/search/label/Aimar

tags: ,
escrito por João Saro às 18:19
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Junho de 2013

Buraco Negro


Arcade Fire - "Rebellion (Lies)" (Coachella - 2006)
escrito por João Saro às 19:07
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Junho de 2013

A ler...

Roubado via o "Atentado ao Pudor", um excelente texto... recorde-se que o maior perigo não está tanto nas várias opções possíveis a tomar, mas na forma como são tomadas:

 

«A crise europeia arrasta-se, propaga-se e adensa-se, deixando nos cidadãos a sensação de impotência dos Estados nacionais e das instituições europeias. Esse sentimento é estrutural e parece radicado. Mas a verdade é que o enraizamento progressivo do conformismo, do desencanto e da desesperança tem sido intermitentemente marcado por episódios agudos deveras preocupantes. São sinais, meros sinais - sinais do caminho ou dos caminhos de evolução e desenvolvimento da crise. São motivos de alarme.

 

Lembro a ideia perigosa - perigosíssima, a mais perigosa de todas - de nomear um "comissário especial" para a Grécia. Recordo a polémica, azeda e agreste, a propósito do pepino espanhol e dos seus efeitos letais sobre os habitantes da região de Bremen. Recapitulo o desassossego trazido pela primeira - e até pela segunda - decisão do Eurogrupo quanto aos depósitos nos bancos de Chipre. Três momentos agudos da crise europeia que ilustram outros tantos riscos. O risco do paradigma imperial e da "domesticação-colonização" das periferias. O risco da racionalização e vulgarização dos argumentos populistas e dos correspondentes ressentimentos xenófobos. O risco da "nacionalização" dos patamares de confiança económica e suas consabidas consequências.

 

A crise exige medidas duras, medidas austeras. A crise exige mesmo de alguns povos e Estados sacrifícios que não pode nem tem de exigir de outros. Mas a crise não pode nunca justificar o atravessamento do limiar da humilhação. Ou, em linguagem menos humana e mais estatal, da subjugação. Já aqui escrevi e volto a escrever: "A história dos povos europeus - com os seus insucessos fratricidas - e a história da União Europeia - com o seu sucesso precário - ensinam, de há muito, que o mandamento mais útil é o "não humilharás"."»

 

Paulo Rangel, Público

escrito por João Saro às 03:30
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Junho de 2013

Frases

"I am a firm believer in the people. If given the truth, they can be depended upon to meet any national crisis. The great point is to bring them the real facts, and beer

Abraham Lincoln

É preciso ouvir tipos que souberam resolver crises maiores.

escrito por João Saro às 22:21
link do post | comentar | favorito

Mais sobre quem digo que sou

Pesquisar neste blog

Links

Posts recentes

AD.dicts

Os bustos

Adopção = Sexo

O Benfica joga no domingo

O balde de gelo

Buraco Negro

Médio Oriente: a solução!

"We need to talk about Is...

4th July - Made in...

Cenas épicas

Arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Escritório

Bloco de notas

subscrever feeds