Sábado, 23 de Fevereiro de 2013

Pires de Lima

A ler: «No meu tempo é que era bom», por Bernardo Pires de Lima

Adoro este tema do "no meu tempo é que era bom", mas ainda dá mais vontade de gostar deste gajo quando continua com este post:

Da Javardice

Em remate ao post anterior, até porque não costumo falar disto. Pertenço (como um dia alguém, simpaticamente, me questionou) a uma família de salazaristas empedernidos. Antepassados do regime, políticos destacados, costados de bem com o que de melhor essas décadas parecem ter proporcionado. Cresci a ouvir histórias sobre as maravilhas desses tempos, as trevas depois de 74, a miséria de país que temos hoje. A minha resposta é sempre a mesma: agradeço muito as lembranças mas javardice por javardice, prefiro as badalhoquices de agora, sempre são da gana de cada um, feitas em liberdade e com liberdade. A começar no direito a sair do país sem a autorização do "esposo" ou na consumação de um casamento com quem nos der na telha, homem ou mulher. Liberdade não é folha de cálculo, é um valor qualitativo.
escrito por João Saro às 17:35
link do post | comentar | favorito

Mais sobre quem digo que sou

Pesquisar neste blog

Links

Posts recentes

AD.dicts

Os bustos

Adopção = Sexo

O Benfica joga no domingo

O balde de gelo

Buraco Negro

Médio Oriente: a solução!

"We need to talk about Is...

4th July - Made in...

Cenas épicas

Arquivos

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Escritório

Bloco de notas

subscrever feeds